quinta-feira, 5 de outubro de 2017

Dia 6 - O que fazer para não descontar minha ansiedade na comida?






Oioioi Bacanudas,

Vamos bater um papo hoje sobre ansiedade e nos tornamos uma comilona forminguinha emocional...
O pior é que isso gera outros descontroles que colocam em risco não só o corpo como a saúde.





A alimentação emocional geralmente pode levar a excessos.

Quando você come para satisfazer suas emoções e não sua fome física, pode ser difícil parar - mesmo que seu estômago esteja cheio :( .


O que pode causar?


Stress -  "Quando stressado, nossos corpos são inundados com o hormônio cortisol, o mesmo mecanismo que nos faz ansiar alimentos açucarados, gordurosos e salgados", disse Albers-Bowling. "É uma resposta inconsciente , e é por isso que a gente faz isso de forma tão natural".
Outra razão é o Tédio. Quando você não tem mais nada para fazer, você pode encontrar-se abrindo os armários de cozinha em busca de algo para comer.

Será que você não se cobra demais não hein?
Por que tudo tem que ser tão perfeito durante o seu dia?

Tá certo...
As vezes é fundamental fazer as coisas super certas e radicalmente sim...
Eu mesma já tive que manter o foco seriamente em muitas ocasiões da minha vida, não tinha essa de "equilíbrio" não...Ou era ou não era.

Como estudar para passar na faculdade de ed.física...
Passar no curso de nutrição em inglês com um dicionário do lado...
Tirar certificado americano de treinamento...
Depois meu sonho era trabalhar por conta própria, então juntei cada centavo de maneira radical para comprar os aparelhos que eu precisava, para dar aula em casa...Já que a Kim e o Kiron não estavam na escola e eu não tinha babá...Fazia contas para tudo, passei um ano sem comprar uma calcinha.

Quando eu QUIS emagrecer depois da minha segunda gestação, eu QUIS.
Então coloquei na minha cabeça que iria ser "radical" até conseguir meu objetivo, da mesma forma que fiz com os outros objetivos...
Ser radical é diferente de ser obcecada...
Obsessão me lembra sofrimento e nunca fiz nada sofrendo.
Achei em um fórum uma nutricionista, fui pesquisar sobre ela e gostei...Filipa Vicente, nunca irei esquecer que foi por causa dela que comecei a estudar nutrição amamentando nas madrugadas...
Isso é ser obcecada?
Eu chamo de "sede de vitória".


Muitas vezes me peguei pensando no que as pessoas falam muito: tenha equilíbrio, saia um pouquinho da dieta, a vida é só uma blá, blá...ame o seu corpo como ele é, se ame, mostre mesmo sua gordura pós bebê etc...
Ok...concordo que cada pessoa tem uma maneira de levar as coisas, que como eu falei no outro post se formos muito radicais  podemos gerar ansiedade e piorar nossa situação...
cada pessoa se conhece o suficiente para saber até onde ir sem se ferir, sem sofrer...


Mas precisamos nos MANTER.

Não só pelo corpo...Mas a saúde pede socorro quando estamos sedentárias e com gorduras extras...
O corpo fica inflamado, imunidade baixa..Uma porta aberta para doenças auto imunes etc...
Manter o foco em busca do objetivo e ponto...Se chamam isso de obsessão ou radicalismo eu não sei...só sei que EU vou até o fim no que prometi para mim sem causar stress.

Simplesmente CURTINDO o momento...

No exato momento em que eu decidi que alcançaria o meu objetivo, eu decidi que faria feliz...Não faz sentido seguir com algo que te faça infeliz, não faz sentido fazer uma dieta com gosto de isopor, ficar louca porque ainda não apareceu resultado...
treinar o que não gosta, acordar cedo com mal humor, ir contra a sua individualidade
Por esses dias o tema dos vencedores do Nobel de Medicina foi ritmo circadiano...e a importância do sono com as doenças crônicas...Mas o ritmo circadiano vai além do sono, está ligado a alimentação, armazenamento de gordura...
Por isso não se estressar, dormir muito bem e no escuro, comer bem farão total diferença na sua ansiedade e na vontade comer...Uma coisa puxa a outra.

Ps: interessante:

O ritmo circadiano na natureza regula o período de reprodução dos animais, do florescer das plantas...
e é pela percepção da duração do dia que os ritmos sazonais ( estações do ano) são ditados.






Hábitos-  Às vezes, você come quando você volta do trabalho ou antes de dormir ou gosta de um docinho depois do almoço apenas porque é o padrão que você sempre segue.
Eu me lembro como se fosse hoje, uma amiguinha da escola quando tínhamos uns 13 anos de idade,magrelinha e cheia de aparelho nos dentes, uma típica pré adolescente...
Ela sempre dizia: depois do recreio “ preciso” de um chocolatinho ...E realmente ela levava UM quadradinho de chocolate...

Precisa?! Eu ficava vendo aquele prazer todo dela em comer um chocolatinho...

Sempre depois do recreio...
Óbvio que ela imitava o comportamento da mãe ou de algum parente bem próximo... O pior é que os pais não sabiam o problema que estavam criando para o futuro dela...
Um dia ela disse: olha a minha nota baixa! Só um chocolatinho para me fazer esquecer!!!

 Esse tópico de comer pelo emocional tem recebido muita atenção ultimamente.
Um estudo publicado em Eating Behaviors em agosto de 2013, pesquisadores da Universidade Rutgers relataram que as pessoas que têm ansiedade de apego - aqueles que temem relações e intimidade - são muitas vezes comedores emocionais. Eles interpretam sua ansiedade como fome e comem para acalmar seus sentimentos.

É fácil supor que as pessoas deixam suas emoções guiar suas refeições somente quando estão tristes ou deprimidas. Mas um estudo publicado no Appetite, em agosto de 2013, descobriu que as pessoas comem demais quando também estão felizes.



Pesquisadores da Holanda descobriram que os alunos que estavam felizes comiam mais do que aqueles cujas emoções estavam em uma sensação de quilo mais eficiente.
Algumas pessoas bebem quando estão deprimidas outras quando estão felizes, algumas pessoas comem...outras param de comer etc...

O ato de ingerir algo por causa das emoções é real, está presente e precisa de atenção!
Comedores emocionais tendem a se apoiar nos alimentos de conforto - alimentos que trazem boas lembranças, muitas vezes de sua juventude.




É difícil dizer não para alimentos de conforto, a pessoa acha que comer irá fazer se sentir melhor... Suas expectativas conduzem o que quer comer, e você pode ficar preso em um ciclo de craving de desejos...
Não é fácil, mas é importante distinguir entre alimentação emocional e fome física. 
Por isso a importância de ter uma dieta controlada...
Chegar e dizer: olha, vc poderá comer só quando tiver fome é generalizar demais...
É preciso um “ estudo” sobre a pessoa que você está atendendo...
Eu, como health Coach estudei sobre various casos e me peguei nesse ciclo também , só que no meu caso eu não como NADA quando estou emocionalmente abalada...simplesmente não me alimento.
O que é ruim também...

Quando você está comendo para aliviar as emoções, "você simplesmente não quer algo nutritivo, não pensa no seu corpo.. - quer batatas fritas e sorvete e nada mais para fazer", a não ser ver Netflix...




Outra coisa é que tem que ser agora "Você quer alguma coisa agora".

"A fome verdadeira, fisiológica cresce gradualmente em intensidade e é acompanhada por um estômago revoltante ou energia menor". Mal humor ou irritação... a fome verdadeira não é confortável , você não quer esperar nem o filme carregar no Netflix , você quer se alimentar...

Eu acho que, deixar a chegar no estágio da fome é ruim ( de novo, depende da pessoa)
Eu por exemplo se fico com fome não penso muito, e como o que tiver mais fácil...Não peso os alimentos como costumo, é como se eu estivesse cega com a fome...

Haaaa Dane-se essa fatia de pizza...depois corro atrás ( mas nunca funciona) porque nesse momento pode abrir uma brecha para a compulsão e eu acabar me perdendo na dieta...
Se....Comi um pedacinho agora, depois como o resto...Já ferrei a dieta hoje mesmo.


Se eu estou controlada, peso minhas refeições e penso na nutrição daquele alimento...Se está fazendo bem naquele horário se posso trocar por outra coisa etc...



No entanto, é possível colocar limites e limites em seus hábitos alimentares emocionais.

1. Torne-se um comedor consciente.
 O consumo consciente consiste em comer devagar, saborear cada mordida, cheirar o aroma da sua comida e olhar com atenção antes de colocá-la na sua boca. "Apenas esteja muito presente mentalmente quando estiver comendo"
Marque o tempo entre as refeições..
Comer só quando sentir fome como generalizam é um erro... Comigo não funciona!
Mas com algumas clientes por exemplo eu já acho que funciona... pois marcar o tempo pode pressionar a comer sem vontade...( início de dietas principalmente precisam ser prazeirosas  para a gente evoluir)
Percebeu como é muito individual?
Percebeu que alguns nutris de Instagram/snap falam demais com um jeito imperativo de saberem demais. E compram vocês?!
Para TUDO e para TODOS existe a individualidade biológica  e pisciquica.
2. Criar controle de impulso através da prática. Jogue o jogo Simon Says com você mesmo ao longo do dia. Pegue algumas mordidas e diga "pare". Quando você está tomando uma bebida, diga "parar" no meio. Construir seu controle de impulso dessa forma o ajudará a parar de comer quando estiver fazendo isso por razões erradas.
Você precisa aprender a dominar sua mente e não a enrolar ela...
É você quem manda, você pode virar o jogo SIM...
Não basta tomar um remédio e pow melhorei... vai criar outra dependência...



3. Use sua mão não dominante para comer. Um estudo realizado em 2011 por pesquisadores da Universidade do Sul da Califórnia descobriu que esta estratégia prática pode reduzir a quantidade que você come. "Esta ação quebra o fluxo automático de mão-a-boca e encoraja você a pensar sobre cada mordida", disse Albers-Bowling.
Se vc é destra... coma com a esquerda..
Se é canhota... coma com a direita...

4- lógico que você já reparou que só sente vontade de comer gostosuras, nunca vi ninguém com desejo de comer quiabo frito ou giló empanado ( a não ser quando estamos grávidas e loucas) ficar lembrando e pensando  sobre o gosto de uma determinada comida, como uma barra de chocolate, aumenta os cravings - estimula o cérebro a começar a antecipar o sabor até o ponto de começar a salivar. Então, uma pisicologa chamada Albers-Bowling disse que colocando uma diretriz  diferente nas expectativas da sua língua faria melhorar essa resposta antecipatória : Por exemplo, pense em um pouquinho de chantilly como creme de barbear. Isso resfria instantaneamente os cravings...
Será?!
Vamos tentar...

5. Pratique a respiração profunda. Parece simples, mas adicionar oxigênio ao seu cérebro ajuda você a pensar com mais clareza e tomar melhores decisões alimentares, especialmente quando você está estressado.

Você comerá alimentos melhores e saudáveis ​​se você não permitir que suas emoções guiem suas escolhas de menu. E quando você comer, preste atenção ao que está no seu prato e saboreie cada mordida.
Existem sim alguns remédios ( inclusive um que as pessoas diabéticas) tomam, que ajudam a melhorar essa resposta, mas só um médico poderia passar para você...
Já imaginou? Melhora uma coisa, fica dependente de outra...

Algumas soluções passageiras:

Picolinato de crômio ajuda a diminuir vontade de doces...
Comer um punhado de pipoca
Chiclete
Balinhas de green tea
Escove os dentes e use enxaguante bucal. “Quando você está com a boca limpa e fresca, você não quer estragar isso.

Primeiro passo: esteja ciente.
Grande parte da alimentação emocional é tão inconsciente que acontece automaticamente ou abaixo da sua consciência. Mantenha um diário. Anote onde e quando você  come. No escritório? Tarde da noite? Quando você está sozinho? Existem padrões que você percebe? Toda vez que você come, pergunte-se o quão fisicamente com fome você está em uma escala de 1-10. Se você é um 6-10, é provável que fique fisicamente com fome. Um 3, por exemplo, significaria que você está comendo pelo estresse.

Segundo Passo: Substituir.
Anote uma lista concreta de todas as atividades saudáveis, sem calorias, que lhe dão um rápido levantamento em um dia difícil. Aqui alguns exemplos simples.

One-Minute Fix: golinho no chá preto. Um estudo na revista Psychopharmacology descobriu que indivíduos que bebiam chá preto experimentaram uma queda de 47% em seus níveis de cortisol, o hormônio do estresse que faz você desejar comida, em comparação com 27% entre os indivíduos que bebiam um placebo.

Massagem de um minuto: Auto-mensagem. Pode ser tão simples como sentar-se, tirar o sapato e colocar seu pé sobre uma bola de tênis. Esfregue os pés, um de cada vez, no topo da bola até ficarem relaxados e acalmados. De acordo com o estudo no International Journal of Neuroscience, a auto-massagem diminui a sua freqüência cardíaca e reduz seu nível de cortisol.


Passo Três: Prática!
Há muitas maneiras de acalmar-se sem calorias, como escrever, técnicas de meditação, conexão com outras pessoas, ler um livro, auto-mensagem, distração, imagens guiadas e maneiras de cuidar dos seus sentidos.

 Com a prática, você pode acabar com a alimentação emocional.

Bem,
Hoje as estrelinhas vão para a guerreira VANESSA STTIPANICH


A Vanessa disse o seguinte neste vídeo:

Ela não irá desistir da calça que adora e nem dela...e aponta para o espelho.
Me arrepiei toda nessa hora, até fiquei emocionada porque posso sentir a vontade que tem dentro dela...É aquela vontade que nem um furacão nos derruba.
Ela disse que já desistiu algumas vezes mas desta vez ela não irá desistir...
E quer saber...Não irá mesmo, alguém duvida?
Ela está com sangue nos olhos, cansada de falhar...sabe que pode o que quiser.
isso aí Vanessa...Vamo que vamooooo você nos motiva.


 Beijinhos e até +
Dani ;)



Nenhum comentário:

Postar um comentário